sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Crónicas de Maria - Natal

Maria vivia numa aldeia pequena  e  era uma criança feliz.
Fazia parte de uma família numerosa com imensas dificuldades económicas, mas Maria nem sequer se apercebia disso, apesar de também ser tocada por elas, pois sempre assim vivera e nem imaginava que se pudesse haver  vidas diferentes da sua, até chegar à primária.
O Natal era a festa do ano mais ansiada por Maria e pelos seus imensos irmãos.
Na véspera de Natal, em quanto uns ajudavam a mãe a fazer os doces de Natal, outros iam com o pai ao monte à procura do pinheiro perfeito para fazer a árvore de Natal. Traziam também baldes de musgo verde e fresco para montarem o presépio em cima do estrado triangular, que o pai fizera para o efeito.
Depois da árvore pronta e as luzes ligadas a magia do Natal invadia toda a casa e todos os seus habitantes. E Maria, contava agora as horas que faltavam, para saber se o Menino Jesus lhe tinha trazido presentes. 
Depois da ceia de batatas cozidas com bacalhau e das rabanadas com creme de ovos, os formigos e as rabanadas de mel feitas pela mãe, a pressa em colocar os sapatos junto da lareira e ir para cama, era sentida por  todos. Nessa noite mal dormiam tal era a ansiedade em saber o que o Menino Jesus lhes tinha reservado.
No dia 25, era o dia do ano que se levantavam mais cedo, sem ninguém ter de os chamar. Numa doida euforia corriam para a árvore para abrir, enfim, os presentes. Eram os momentos mais felizes para todos. Depois de um ano inteirinho sem ter direito a um par de sapatos, ou um gorro, ou umas botas, ou até um guarda-chuva,  brinquedos era algo que nem ousavam sonhar, finalmente o Menino Jesus tinha o poder de realizar esses pequenos mas  tão grandes sonhos, com a amabilidade de  juntar sempre um chocolate (algo que só aprecia em casa por esta altura ou na altura que os tios emigrantes em França, traziam nas férias grandes)  por muito pequenino que fosse. Houve uma vez em que o Menino Jesus deixou só o chocolatinho, mas isso não quebrou a magia  que Maria sentia no ar, no Natal. 



Um fim-de-semana maravilhoso para todos



10 comentários:

  1. Nem sei bem o que dizer... Mas a história tocou-me fundo; gostei imenso de a ler e a verdade é que retrata a dura realidade de muitas crianças por este mundo fora :(

    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta é uma pequena parte da história da minha vida que se repetiu por bastantes anos. Penso que por isso, ainda hoje somos todos tão unidos e trocamos imensos afetos!
      beijos

      Eliminar
  2. Respostas
    1. É um pouco da minha história de vida!
      Beijos Maria da Graça

      Eliminar
  3. está aqui retratada uma realidade dura, mas ao mesmo tempo cheia de magia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É Mia, a minha vida tem estas duas vertentes, talvez por isso, para mim, para todos nós, aliás, o Natal continua a ser uma altura mágica!

      Eliminar
  4. Essa história é-me bastante familiar!...o argumento não é original!mas está muito bem escrito...e agora comparando, temos tudo e nem por isso somos mais felizes!beijo mana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim maninha, a nossa história, repleta de felicidade genuína, que os momentos de carência nos faziam valorizar com uma imensa intensidade!
      beijinhos querida!

      Eliminar
  5. Eram tempos muito difíceis amiga mas havia magia.
    Nunca tive brinquedos mas era feliz,era assim a vida dos pobres,infelizmente ainda há muita criança que este Natal não vai ter presentes.Espero que pelo menos tenham o mesmo amor que eu sempre tive.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amor e afeto são os bens fundamentais, Natália, para conseguirmos ultrapassar todas as outras faltas.
      Sinto que a minha felicidade ao receber um simples gorro no Natal, era muito mais intensa do que a sentida pelas minhas filhas hoje ao receber tantas coisas!
      Beijinhos

      Eliminar

Agradeço a visita. Volte sempre!