sexta-feira, 6 de março de 2015

Há coisas que me fazem cá um nó no cérebro. Uma mulher/mãe cujo marido sofre de obesidade mórbida, que tem uma filha de 7 anos que já aparenta, nitidamente, seguir as pisadas do pai, como é que tem a insensatez de ter, em casa, uma gaveta reservada a doces e guloseimas (rebuçados, chocolates, sugus, chupas, bolachas de chocolate e outros). A agravante é que trabalha numa instituição de saúde e deveria saber, melhor que ninguém, o mal que está a causar à filha.
Este caso deixa-me particularmente enervada porque a minha mais nova é muito amiga desta miúda. A minha mais nova é muito gulosa e por isso mesmo as guloseimas cá em casa são excepção. Ora bem, como a miúda vem cá para casa brincar com a minha filha, a minha há dias também foi para casa da miúda. Foi assim que eu descobri este "atentado" à criança. Decididamente a minha ir a casa da outra é algo que tenho de evitar a todo o custo, uma vez que a abundância, ainda por cima sem regra, deste tipo de "alimentos" é algo que não consigo digerir.


Bom dia :)


2 comentários:

  1. Pensará ela que está a fazer bem à filha? Tanta coisa se diz e escreve sobre a obesidade infantil, devia ter cuidado.

    ResponderEliminar
  2. São tantos esses casos infelizmente.
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Agradeço a visita. Volte sempre!