sexta-feira, 29 de maio de 2015

Uma semana muito, muito intensa!

Tenho andado ausente devido à semana demasiado intensa, quer profissional, quer pessoalmente. Enfrentei uma  semana de muitas, imensas, emoções.
Uma semana de formações na invicta; preparação para a despedia do chefe com quem tanto, tanto aprendi e que tem um lugar dentro do meu coração; viagem de finalista de 3 dias da minha mais velha. Para além de tudo isso todo o trabalho que tenho de fazer numa corrida contra o tempo.
Nesta altura tenho dentro de mim uma mistura de sentimentos difícil de explicar. O cansaço sim, esse é demasiado óbvio.

Desejo a todos uma fim-de-semana sereno e pleno de momentos felizes

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Músicas que não se esquecem

Há dias em que não encontramos palavras para verbalizar o nosso estado de alma.
Há dias em que a música que nos vem à cabeça é a palavra perfeita. Assim, partilho convosco a música que hoje diz tudo sobre o que sinto.


Bom dia a todos a todos e um

EXCELENTE FIM-DE-SEMANA

quinta-feira, 21 de maio de 2015

A correr contra o tempo

Por cá será assim nos próximos dias, semanas, sei lá eu. Isto de querer o quanto antes realizado, trabalho que necessitará de levantamentos de dados de facturas desde 2011, não será tarefa fácil.
Com licença, vou-me a elas!


Assim que me for oportuno visitar-vos-ei :)!

Bom dia a todos

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Crónicas de Maria - desastrosas lides domésticas

Quando se é criança há pequenos acidentes que acontecem com maior frequência do que quando se é adulto. Não sei se pela falta de zelo, se pelo tamanho e destreza das mãos.
Quando Maria era  criança os acidentes domésticos, lá por casa, sucediam diariamente. Eram muitas as crianças e por isso muitos objectos partiam, muitas vezes, por magia, à sua passagem.
A maior ocorrência sentida era a nível da loiça. Quase todos os dias, depois da loiça lavada, havia sempre uma peça a menos no louceiro. 
A loiça era lavada manualmente pelas crianças, tarefa que não lhes apresentava qualquer tipo de perigo (para elas, porque para a loiça…é o que vos conto). Acontecia que, sem mais nem menos, sucedia escorregar das mãos um prato, uma tigela, uma saladeira, etc.
O receio do ralhete e das chineladas da mãe, fizera com que se criasse uma equipa de vigilância ao sumiço da loiça partida. Havia os que ficavam de sentinela a vigiar se a mãe se aproximava por qualquer umas das portas ou portões de acesso aos terreiros que circundavam a casa, enquanto o infractor se desfazia do objecto partido, lançando-o para o meio do silvado que havia no monte, por trás do quintal.
Naturalmente que a mãe apercebia-se da falta da loiça, ao fim de alguns pratos e tigelas partidos. Em algumas terças-feiras lá ia ela, à feira da Lixa, ou então ao "Masmorra" comprar  mais para repor a que ia desaparecendo misteriosamente. 
Quando questionados sobre quem seria o autor das baixas, ninguém tinha sido, ninguém tinha visto e não se acusava ninguém. Protegiam-se assim uns aos outros da “fúria“ da mãe. Afinal de contas todos eles, cada um em sua vez, tinham contribuído para o sucedido.
Um dia, o monte por trás do quintal foi vendido. O novo dono decidiu limpar o mato e cortar o silvado. Imaginem a cara da mãe da Maria quando espreitou do cimo do quintal para o lugar onde já não havia silvado. Viu ali objectos despedaçados que ela ainda não tinha dado falta. Ficou chocada. Questionou um e outro acerca de um e outro "tareco" que naquela condições se encontrava, perguntas para as quais obteve as respostas  habituais:" -eu não sei " e “- não fui eu!”, em todas as vozes.

Google imagens


Bom dia a todos 

terça-feira, 19 de maio de 2015

Dores insuperáveis, dores imensuráveis.

Ainda a propósito do crime cometido em Salvaterra de Magos, porque ainda hoje foi falado por cá, as opiniões dividem-se quanto às palavras que a mãe do autor do crime deixou no Facebook. Aqui deixo a minha opinião:
Não há mãe nenhuma que esteja preparada para a perda de um filho. Será uma dor sem fim, o amputar de um pedaço de alma, uma dor insuperável. Mais terrível ainda, quando esse filho é saudável e tem uma mundo de projectos à sua frente e lhe é arrancado por alguém, numa absoluta inexplicação.
Não há mãe nenhuma que esteja preparada para se confrontar com a realidade de ter um filho homicida. Será por certo um emaranhado de sentimentos terríveis que a assolam e a deixam de coração desfeito e alma perdida.

A meu ver a rejeição de um filho por uma mãe com tantos sentimentos terríveis à flor da pele, despoletados por esse mesmo filho, não deve ser vista como um sentimento derradeiro. Tanta coisa se diz e, por vezes faz, perante as batidas irregulares de um coração magoado que não parece correcto julgar palavras ditas neste contexto.
Ambas as mães se encontram desfeitas com a realidade que cada uma delas enfrenta. A mãe que ficou sem o filho também jamais se conformará. A mãe do miúdo que cometeu o crime, nunca mais será a mesma.

(In) decisões

10º ano

Gosta e é boa a línguas, mas não gosta nada de História, sendo boa na disciplina. Gosta de matemática e de físico-química mas não obtém bons resultados, desde que perdeu o fio à meada no 7ºano. Perante os resultados dos testes psico-técnicos feitos por psicólogos, teve como conselhos seguir dança ou advocacia.
Identifica-se mais com a dança, não adorasse ela dançar, mas sabe que a dança não lhe dará um futuro seguro. Para conseguir ter "garantias" futuras, e para seguir o que realmente a faz feliz, acha que deve seguir desporto e em simultâneo ter aulas de dança e, mais tarde, fazer uma formação extra nesta área.  Para lá chegar terá de seguir o curso técnico profissional de gestão de apoio ao desporto ou ciências tecnológicas do desporto. O primeiro é mais fácil e dar-lhe-à na mesma acesso à universidade, mas o ano passado não abriu por falta de alunos interessados. Este ano tememos o mesmo. O segundo é mais difícil porque tem matemática e físico-química A.  O dilema trá-la demasiado ansiosa. 
As opções são: pagarmos a um explicador para durante o verão lhe dar explicações  a matemática de forma a encontrar o fio perdido ou incitá-la a seguir uma área na qual está mais segura mas que não lhe abrirá caminho para fazer o que gosta de facto. 
Nós, embora assaltados por alguns receios, estamos dispostos a arriscar a 1º opção. E vocês que opinião me dariam?

Bom dia a todos.

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Fim-de-semana.

Acordar cedo e caminhar (até e) na praia quase deserta, na companhia de fiel amigo, sob céu azul e raios de sol, já bem quentinhos aquela hora da manhã. O mar transmitir uma serenidade que  inundava a alma. Os rochedos a descoberto, repletos de mexilhões, libertarem uma agradável fragrância a maresia. Observar um ou outro madrugador, matando saudades do verão, dar o seu mergulho matinal.
Há tarde ir até a Barcelos com a família, debaixo de um calor tórrido, ver os jogos finais de basquetebol da equipa do marido. Unir a emoção à emoção da minha mais velha quando o pai entrou em campo ( por pouco tempo porque tem um esporão calcâneo que o tem arrasado) para  o seu último jogo. 
Apesar do cansaço e desgaste que senti ao longo destes 26 anos que partilhei com ele, enquanto jogador de basquete, especialmente desde que fui mãe e não pude contar, na prática, com ele em tantos momentos e situações complicadas; ter-me privado de fazer muitas coisas e de muitas vivências, é estranho imaginá-lo do lado de fora. É o fim de um ciclo ao qual, todos nós, teremos que nos habituar aos poucos.
Quanto ao BCB, não chegaram às finais, mas ficar em terceiro foi um feito louvável que mereceu o nosso grande aplauso, tendo em conta o orçamento da equipa.

imagem do google


Bom dia a todos e uma 

EXCELENTE SEMANA

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Estado de Espírito

Há momentos na vida que precisamos de esvaziar-nos. Desligar o botão de umas tantas coisas e deixar de pensar noutras tantas.
Se a inspiração quiser fazer uma pausa, deixá-la voltar quando quiser.
Não me apetece nem escrever, nem falar, nada. Só escutar uma música de fundo e viver num ligeiro marasmo, que num ou outro momento, me é possível.
Uma justificação concreta não me surge para justificar este meu estado actual.
A vida tem me oferecido alguns momentos assim e sempre os contrariei. Actualmente, porém, permito-me não o fazer porque acredito que vivê-los como me surgem é-me importante.

Até daqui a pouco, quando este estado me passar!


Bom dia a todos

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Músicas que não se esquecem

Hoje não paro de cantarolar esta música. Não sei a que propósito me veio hoje à lembrança, mas confesso que marcou muito mesmo a minha infância e ficou para sempre comigo.


:)

Crónicas da Maria - Primavera

"O mês de Maio tinha chegado envolto em sol, cores felizes e música chilreante. Das beiras dos caminhos e carreiros, pendiam giestas floridas, umas de amarelo e outras de branco. Por trás de uma delas um cuco cantou. 
Não muito longe dali ouviu cães a ladrar e inquietou-se. Estava a chegar ao portão e a presença dos cães à solta sempre lhe causaram temor. Voltar para casa sem fazer o recado à mãe era inequacionável. Os seus 10 anos não lhe permitiam ter esse tipo de atitude. Chegada ao portão bateu  com força e chamou alto: "olé, está aí alguém"?. Passado alguns segundos surge a caseira de lenço colorido na cabeça e  um avental um pouco sujo pelas lides da casa, prendendo os cães aos cadeados. Ela desceu, resoluta, as escadas de pedra e explicou ao que ia. Enquanto a senhora ia buscar as duas dúzias de ovos que tinha ido comprar, observou as lides dos jornaleiros que cavavam terra enquanto outros  tratavam das vacas na vacaria. Pela Casa de Oleiros havia sempre uma azáfama que lhe prendia a atenção, particularmente nesta altura do ano.
Já servida, pagou. Devagar, subiu as escadas de pedra, enfeitadas com vasos de flores de espécies variadas, que iam dar ao portão. Do último patamar deitou um último olhar ao verde dos campos em redor, envoltos em odores que lhe ficariam gravados na memória e, lá mais  abaixo, o mosteiro solitário sobressaindo na paisagem "



Imagens retiradas do google imagens


Bom dia a todos e um fim-de-semana muito reparador :)

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Basquetebol - PlayOffs

A noite de ontem foi mais longa. A pedido do marido fomos a três assistir e apoiar no jogo decisivo para passagem às meias finais do campeonato nacional de basquetebol, disputado em Barcelos pelas 21:00 horas.
No meio de uma bancada repleta de apoiantes quase mudos, destacaram-se as nossas três vozes, do princípio ao fim do jogo. À minha mais nova tive mesmo de a mandar abrandar, tal era o chinfrim que fazia (esta miúda está a passar de tímida a descarada!).
O recolher tardio valeu a pena! O BCB passou às meias finais sendo motivo de muitos gritos de alegria, de euforia mesmo.
O mérito  é imenso. Um clube com um tão baixo orçamento e com apenas três atletas profissionais conseguir chegar ao "título" dos quatro melhores a nível nacional, frente ao Algés, um clube com atletas com enorme vantagem a nível de estatura, e com um outra estrutura financeira, é um feito pelo qual todos eles (e nós que estamos nos bastidores)  se podem orgulhar. As afinidades e cumplicidades criadas entre atletas, e a coesão do grupo, são visíveis e enternecedoras e, na minha opinião, isso tem contribuído muito para chegarem tão longe.



Bom dia a todos


quarta-feira, 6 de maio de 2015

História que inspira

Joseline, uma jovem brasileira, mãe solteira, decidiu emigrar para a Inglaterra em busca de uma vida melhor para ela e para a sua filha. Após algum tempo de emigrante, na altura numa relação amorosa que a fazia  muito feliz, foi-lhe diagnosticado um cancro, contra o qual lutou, de sorriso nos lábios, até estar completamente curada.
Um dia o seu companheiro traiu-a e abandonou-a. Envolta na dor da tristeza do abandono começou a ter episódios recorrentes de mau estar físico.Pensando que estivessem ligados à sua fragilidade emocional, foi-se deixando estar, até um dia não aguentar mais. Recorreu de urgência a um hospital em Londres e quando de lá saiu, saiu com diagnóstico de cancro com metástases em vários órgãos.
 Joseline não verteu lágrima em frente a ninguém. Joseline não perdeu o sorriso e tomou uma decisão que seria objectivo a cumprir antes do fim: arranjar um visto de residência e arranjar uns pais substitutos para a sua filha, na altura com 10 anos.
A doença impediu-a de trabalhar e por não poder pagar o alojamento foi posta na rua. Só, com uma filha a seu cargo, e uma doença a deteriorá-la dia após dia, a qual ela enfrentava dizendo sempre que estava tudo bem, foi através do movimento criado por uma emigrante portuguesa, sensibilizada para a sua situação, que arranjou um novo abrigo, bem como bens necessários para sobrevivência de ambas.
Através da igreja, conseguiu sensibilizar uma pequena comunidade que perante a doçura do seu eterno sorriso lhe foram deitando a mão. Um elemento dessa comunidade religiosa, sabendo da necessidade do seu visto de residência acordou casar com ela para que ela conseguisse atingir esse objectivo e assim também resolver o problema da sua filha.
Já num estado terminal, e contra todas as indicações médicas, viajou até ao Brasil para se despedir da única pessoa que lá tinha e que era muito importante para ela: a sua mãe.
Depois do regresso, já com a filha entregue a uma família de acolhimento foi colocada numa instituição para cuidados de doentes terminais onde acabaria por falecer, 2 dias depois, ao lado da filha, de sorriso nos lábios.
Entre o diagnóstico e o fim previsto de escassos meses, passaram-se quase dois anos. Deus deu-lhe o tempo necessário para concretização do objectivo principal de sua vida. O seu sorriso também O sensibilizou a ele, assim como a todos que se envolveram neste caso.
Incrivelmente, a pessoa que a expulsou por não poder pagar o alojamento, viria, pouco tempo após o seu falecimento, a enfrentar um cancro da mama.

Há histórias dramáticas de pessoas incríveis que fazem que aquilo que apelidamos de problemas se passem a intitular insignificâncias. 

Bom dia a todos

Mensagem inteligente


 “Por vezes a resposta é errada simplesmente porque a pergunta é incorrecta" 

Mia Couto

terça-feira, 5 de maio de 2015

Desafios/Passatempos

A Rainha e a Ervilha tocou-me com o desafio postado aqui http://arainhaervilha.blogspot.pt/2015/05/dos-desafiosmais-um.html

O desafio consiste originalmente no seguinte:

Escrever 11 factos sobre nós próprios.

- Sou de lágrimas fáceis
- Gosto de conhecer sítios diferentes 
- Gosto imenso de ler
- Prefiro a calma das aldeias ou pequenas cidade à confusão das grandes cidades
- Sou muito caseira
- Gosto de gente simples
- Não suporto a arrogância 
- Tenho dificuldade em perdoar a traição venha de quem vier
- Sou a 4ª de nove irmãos
- Sou mãe, ao estilo leoa
- Gosto de passear à beira mar, ou na praia, fora da época balnear.

Responder às perguntas que me colocaram.

1.     Cidade portuguesa preferida?
- Não sei. Gosto de tantas por paisagens diferentes.

2.     Avião ou Barco
- Barco. Gosto de viajar sem pressas.

3.     Peça preferida: saia, calças ou vestido?
- Depende das ocasiões mas gosto muito de vestidos e de calças.

4.     Se eu ganhasse o euro milhões... (completar)
- Ajudaria muita gente :)

5.     Qual a tarefa que mais chata em casa?
- Lavar persianas

6.     Salto alto ou raso?
- Médio

7.     Flor preferida?
- Flores silvestres.

8.     Fruta preferida?
- Tantas. Papaia, manga, araçá vermelho,  cerejas, magnórios, etc

9.     Humor ao acordar?
- Tenho um óptimo despertar.

10.   Bebida preferida (água não vale)?
- Chá de hortelã-pimenta.


11.  O que gostavas mesmo, mesmo de experimentar?
- Fazer turismo numa auto-caravana. Partir por aí ao sabor da vontade.

Nomear 11 blogs com menos de 200 seguidores

Nomeio para responder ao desafio (não se sintam obrigadas, façam-no se vos apetecer ):

http://momentosemcapsulas.blogspot.com/
http://dentrelinha.blogspot.com/
http://rosinhac.blogspot.com/
http://coisasquefaco2014.blogspot.com/
http://notasdecha.blogspot.com/
http://floresecoreseamores.blogspot.com/
http://omeuatelier1.blogspot.com/
http://jeveuxetjevaismaigrir.blogspot.com/
http://teresabblog.blogspot.com/
http://simplesacucena.blogspot.com/
http://crisncrafts.blogspot.com/


Fazer 11 perguntas a esses blogs nomeados.

1 - Em que cidade moras?
2- Qual a zona do planeta que mais gostavas de conhecer?
3 - Qual é o teu maior sonho?
4 - Qual o livro que mais te marcou?
5 - Qual é a imagem mais feliz ,que tens da tua infância?
6- Se pudesses voltar atrás o que é que fazias que não tivesses feito?
7- Qual foi a coisa que fizeste que mais te arrependeste?
8- Cidade ou aldeia?
9- Comida com a qual tens mais empatia?
10- Quente ou frio?
11- Qual a tua estação predilecta?

Colocar a foto do Liebster Award no post e respectiva tag.



Enviar o link do post a quem te nomeou.


Sou uma bocado ignorante a nível informático, por isso espero não ter falhado em nada.



Livro "Pensageiro Frequente" - de Mia Couto

"Pensageiro Frequente" - Mia Couto

"São 26 crónicas de Mia Couto datando a mais antiga de Janeiro de 1999 e sendo a mais recente de Maio de 2010
Em “Nota Introdutória”, Mia Couto não esconde o propósito que esta sua colaboração na revista teve: “fazer com que o meu país voasse pelos dedos do viajante, numa visita às múltiplas identidades que coexistem numa única nação”. Esta apresentação acaba por sintetizar alguns pontos comuns às crónicas ora reunidas em livro – a viagem pelas várias facetas de uma identidade, a mística dos lugares e das gentes, a poesia dos sítios, a partilha do mundo com a natureza, tópicos que resultam dessa viagem que o pensamento assume e de uma leitura do mundo também perfilhada pelo olhar do biólogo que Mia Couto é.
O leitor voa nestas crónicas contemplando e descobrindo segredos da paisagem, do reino animal, do mundo, da história e da vida, desvendando um país, encontrando-se com marcas de identidade(s) do outro e de si. São crónicas felizes estas, em que o cronista usa a palavra para a sua vocação de viajeiro e partilha as suas aprendizagens com outros intervenientes nas crónicas, com os próprios leitores, assim lhes apresentando um país, pintado com as cores da diversidade, num quase roteiro de moçambicanidade".



Muito Bom!

A espontaneidade das crianças

Perante a desarrumação que habitava a mesa da sala de jantar graças ao material escolar da mais nova por lá espalhado, peço-lhe que arrume tudo na mochila. Pede-me que o faça eu porque está ocupada a ver um episódio novo de uma série da Disney Channel. Digo-lhe que não, porque, para além de estar ocupada a fazer o jantar, essa é tarefa é dela. Virei costas e voltei aos meus afazeres. Ignorei todo o resmunganço que vinha da sala. Passa furiosa, pouco tempo depois,  no hall da entrada para deixar a mochila à porta de casa e ainda a oiço dizer:- raio de mulher esta, custava-lhe muito fazer-me o favorzinho!!

Bom dia a todos :)

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Mensagem que me deixou de lágrimas nos olhos

"Está de parabéns a pessoa que eu mais amo no mundo. Obrigada mãe, por me amares incondicionalmente, por me apoiares, por me aconselhares, por seres tu. És um exemplo de mãe, de mulher, de guerreira, de amiga, tenho imenso orgulho em ti. Ensinaste-me tudo, excepto como saber viver sem ti. És o meu grande pilar na vida. Amo-te de coração e alma." - A minha mais velha

Deitar-me ao sabor dos beijos da mais nova, que esteve toda a tarde ausente numa festa de aniversário. Podia eu querer melhores declarações de amor!? Claro que não.

Bom dia a todos e uma excelente semana.

domingo, 3 de maio de 2015

Dia da mãe

Porque hoje é o dia da mãe partilho convosco este texto que eu gosto imenso e com o qual me identifico, como provavelmente quase todas as mães se identificarão.





Um dia feliz para todos, em especial para todas as MÃES.

sábado, 2 de maio de 2015

Presa a momentos

Há dias que me começam menos bem à noite. No dia que se segue, tudo fica encadeado, preso a um momento menos bom. Na tentativa de corrigir uma atitude menos feliz, aos poucos vou-me enterrando cada vez mais. Chega uma altura em que paro, olho para dentro e decido que mais vale manter a boca fechada uma vez que as palavras não me saem as mais apropriadas. Ou, numa outra hipótese, quem me ouve fica à defensiva, vendo em tudo o que digo, ou faço, uma ofensa!
Há dias, também, que me começam melhor à noite :) 
Bom dia a todos





sexta-feira, 1 de maio de 2015

Dia do Trabalhador - a esperança

A vida é a família, os amigos, as descobertas, os momentos de cumplicidade. O trabalho deveria ser apenas o canal que contribui para dar o conforto necessário a todas essas vivências.
Infelizmente não o é. O trabalho ocupa a maior parte do nosso tempo limitando-nos as vivências e convivências, afectando a harmonia das famílias em geral.
Neste dia que se festeja o dia Mundial do trabalhador, que se iniciou com a luta pelas 8:00 h de trabalho diário, há quase dois séculos atrás, tenho em mim, como esperança, que ao longo deste ano ainda regresse à carga horária 7:00 h de trabalho diário.  É algo que desejo muito, porque perdi muita qualidade de vida desde então. Sou também da opinião, que deveria ser uma norma a implementar a nível de todos os trabalhadores em geral, sem particularidades. Menos tempo fora de casa e mais tempo para alimentar e cuidar de afectos, pois são esses que formam personalidades e gerações.
Bom dia a todos