quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Maria João foi uma das pessoas mais fascinantes que apareceu na minha vida. Doce, meiga e de uma imensa humanidade. Tratos e ternura de uma poetisa. 
Trabalhar com ela foi simples e leve, mesmo perante as situações mais adversas. Nunca a doçura foi trocada por aspereza, mesmo em situações de imenso stress. Os dias de trabalho eram longos quando acompanhada de outros elementos, quando acompanhada da enfermeira Maria João, passavam com brevidade.
A poetisa construirá poemas, inspirada noutras paisagens e noutros olhares; outros palatos saborearão  os seus doces divinais; outros utentes receberão o carinho do seu cuidar e as palavras ternas de quem se sabe colocar no lugar do outro; outras pessoas terão o privilégio de partilhar os dias com esta grande, grande MULHER e exímia profissional. 
Antes de partir para a sua amada Lisboa, para iniciar um novo ciclo de sua vida, despediu-se um a um, de todos os que leva no coração. Eu senti-me absolutamente privilegiada por fazer parte deles.
"Ainda que parta", como diz, na perfeição da mensagem deixada , "não quer dizer que não fique".



4 comentários:

  1. É um privilégio conhecer pessoas assim. E é verdade. Quando partem, ficam sempre. Guardamo-nas a sete chaves no nosso coração.

    Um beijinho, Maria

    ResponderEliminar
  2. Que linda e tocante homenagem! bjs, chica

    ResponderEliminar
  3. E vai ser bom...reencontrá-la noutra situação!!! Bjoca

    ResponderEliminar
  4. Essas pessoas ficam sempre no nosso coração ainda que partam para longe de nós. Jinhos

    ResponderEliminar

Agradeço a visita. Volte sempre!